A Vida de Muḥammad ﷺ: A Morte de Khadījah e Abu Ṭalib em Sucessão e as Migrações Para a Etiópia e Madinah (Islam 1.10)

A Hijrah do Profeta Muḥammad ﷺ

Quando os Quraish viram que muitas pessoas estavam sendo atraídas ao Islām e se tornando muçulmanas, e que os métodos que estavam usando para combater o chamado (da’wah) do Profeta ﷺ não estavam funcionando, eles concordaram em boicotar toda a tribo do Profeta ﷺ. Os Quraish nunca esperaram que o Islām prosperasse. Um grupo de muçulmanos inicialmente migrou (fez Hijrah) para a Abissínia (Etiópia) e lá encontraram paz com o Rei Cristão chamado Nājāshī, sobre quem o Profeta ﷺ disse: “Há um rei lá que não oprime ninguém.”

Najāshī ficou tão impressionado com a mensagem monoteísta islâmica e com a eloquência e beleza do Qur.ān que ele acabou se tornando muçulmano. O Islām foi ainda mais fortalecido com o acolhimento de dois nobres dos Quraish, reconhecidos por sua coragem: Hamza ibn Abdul-Muṭṭalib e ‘Umar ibn Al-Khaṭṭab, que Allāh esteja satisfeito com ambos. Os Quraish boicotaram os chãs de Banu Hāshim e Banu Abdul-Muṭṭalib. O resto dos Quraish assinou um contrato entre si que estabelecia que essas duas tribos não fariam comércio de nenhuma forma, nem se casariam até que entregassem Muḥammad ﷺ de bom grado aos idólatras dos Quraish. No entanto, os dois clãs mantiveram-se firmes com Abu Tālib, exceto Abu Lahab (outro tio do Profeta ﷺ) que ficou do lado dos Quraish. Os muçulmanos (homens, mulheres e crianças) foram forçados a se isolar em um vale e sofreram imensamente ao ponto de passarem fome às vezes. Eles sobreviveram com folhas de árvores e arbustos. No entanto, Abu Tālib manteve sua proteção seu amado sobrinho. Abu Tālib cuidava do Profeta ﷺ desde que ele era jovem – após a morte do avô do Profeta ﷺ, ‘Abdul-Muṭṭalib. O jovem Muḥammad ﷺ dormia ao lado de seu tio, ele ia a todos os lugares com ele – na verdade, ele não comia a menos que o jovem Muḥammad ﷺ se juntasse a ele, e então ele dava o a melhor comida. Ele manteve esse amor pelo Profeta ﷺ até sua morte, três anos antes da Hijrah para Madinah. Os historiadores relatam que o boicote começou no sétimo ano após a posição de Mensageiro e durou entre dois e três anos.

“O Ano do Pesar (‘Ām al-Huzn)”: 619 dC

Abu Tālib morreu como politeísta (apesar de seu amor por Muḥammad ﷺ) pouco depois do fim do boicote no décimo ano após a posição de Mensageiro – e isso foi aproximadamente três anos antes da Hijrah para Madinah. O Profeta ﷺ estava sentado no leito de morte, implorando ao seu tio que se tornasse muçulmano para que Allāh o salvasse, mas havia dois líderes dos Quraish (Abu Jahl e ‘Abdullāh ibn Abī Umayyah) também encorajando-o a permanecer sobre a religião de seus antepassados. No final, Abu Tālib disse ao Profeta ﷺ:

“Se não fosse pelo medo dos Quraish me provocando por eles dizerem sobre mim: ‘Ele não disse isso, exceto por medo da morte’, eu certamente teria acalmado seu coração (e testemunhado para o que você chama).” [Coletado por Muslim]

Então Allāh revelou:

إِنَّكَ لَا تَهْدِي مَنْ أَحْبَبْتَ وَلَٰكِنَّ اللَّهَ يَهْدِي مَنْ يَشَاءُ ۚ وَهُوَ أَعْلَمُ بِالْمُهْتَدِينَ

“Por certo que não és tu (ó Muḥammad ﷺ) que orientas a quem queres, contudo, Allāh orienta a quem Lhe apraz. E Ele conhece melhor do que ninguém os encaminhados.” [Al- Qasas (28): 56]

مَا كَانَ لِلنَّبِيِّ وَالَّذِينَ آمَنُوا أَنْ يَسْتَغْفِرُوا لِلْمُشْرِكِينَ وَلَوْ كَانُوا أُولِي قُرْبَىٰ مِنْ بَعْدِ مَا تَبَيَّنَ لَهُمْ أَنَّهُمْ أَصْحَابُ الْجَحِيمِ

“Não é adequado para um Profeta e para os crentes que peçam perdão para os Mushrikun (politeístas, idólatras, pagãos, descrentes na Unicidade de Allāh), ainda que estes sejam seus parentes, depois que tenha ficado claro para eles que são habitantes do Fogo (porque morreram em estado de descrença).” [At-Tawbah (9): 113]

Após a morte de Abu Tālib, a liderança do clã de Banu Hāshim foi por padrão para Abu Lahab, que era arqui-inimigo do Profeta ﷺ. Mesmo assim, inicialmente ele cumpriu os desejos do clã de proteger Muḥammad ﷺ, mas rapidamente voltou à sua antiga inimizade. Alguns historiadores dizem que isso ocorreu porque ele ouviu que Muḥammad ﷺ gavia dito que mesmo ‘Abdul-Muṭṭalib e qualquer outra pessoa que adorasse ídolos entraria no Inferno. Isso prova ainda que Muḥammad ﷺ não era propenso a sentimentos nacionalistas ou tribais – ele apenas queria que o povo se unisse na adoração a um Deus (Allāh), independentemente da cor, tribo, nacionalidade ou status social. Não há dúvida de que o Profeta ﷺ ficou muito triste com a morte de Abu Tālib. Isso prova que é permitido amar os não-muçulmanos com base nos sentimentos naturais de alguém, como o amor a um membro da família não-muçulmano. Paralelamente, o Profeta ﷺ foi claro ao dizer: “O castigo mais leve no inferno é para Abu Tālib.” Portanto, seu relacionamento com Muḥammad ﷺ não foi suficiente para salvá-lo do Inferno após o cometimento da idolatria.

Logo após a morte de Abu Tālib, a esposa do Profeta ﷺ faleceu – Khadījah, que Allāh esteja satisfeita com ela  – isso foi no mês do Ramaḍān três anos antes da Hijrah. Abu Tālib era um protetor, enquanto Khadījah era um pilar de apoio e quem o consolaria. Os Quraish começaram a se comportar com o Profeta ﷺ de uma maneira que não ousariam durante a vida de Abu Tālib. Este foi possivelmente o período mais difícil da vida do Profeta ﷺ – embora não haja provas de que o próprio Profeta ﷺ tenha chamado o “ano do pesar”. Além de tudo isso, o Profeta ﷺ continuou chamando as pessoas para o Tawhīd e para se manterem longe da idolatria – ele ﷺ procurou apoio do povo da cidade de Tā’if perto de Makkah e de muitas outras tribos na esperança de que o ajudassem a espalhar a Mensagem do Islām. Um a um, todos o recusaram e continuaram com a perseguição aos muçulmanos.

A Hijrah Para Madinah: 622 dC

Madinah, anteriormente conhecida como Yathrib, é uma cidade a cerca de 250 milhas ao norte de Makkah. No 12º ano após receber a Revelação, doze muçulmanos de Yathrib (Madinah) foram para o Hajj. Alguns deles foram aqueles que conheceram o Profeta ﷺ no ano anterior e abraçaram o Islām. Eles encontraram o Profeta ﷺ em um local chamado ‘Aqabah em Mina. Ele ﷺ pediu que se comprometessem:

“Que vocês não associem nada em adoração com Allāh. Vocês não roubarão, não cometerão fornicação, não matarão seus filhos, não caluniarão (as mulheres) e não me desobedecerão…” [Coletado por Al-Bukhārī]

Ele ﷺ enviou Mus’ab ibn ‘Umar junto com eles para lhes ensinar o Qur.ān e a religião. No 13º ano, um grupo maior veio de Madinah para o Hajj quando o Islām começou a florescer lá. Desta vez, haviam 73 deles. Essas eram conhecidas como a primeira e a segunda promessas de ‘Aqabah (em Mina). Eles prometeram protege-lo se ele migrasse para Madinah como eles protegem suas próprias mulheres e crianças. Eles entenderam que, ao adotá-lo como líder, incorreriam na raiva e na inimizade de todos os árabes, levando a declarações de guerra contra o povo de Madinah. Eles entenderam que a lealdade ao Islām é maior que a lealdade à raça, família, clã ou país – e que o Islām era um modo de vida completo, não apenas um conjunto de crenças no coração de alguém. Essa religião iria mudar a maneira como eles viviam e a adoração. Depois dessa segunda promessa de ‘Aqabah, os muçulmanos começaram a migrar individualmente e em grupos para Madinah. Os Quraish ficaram muito apreensivos e temeram que Muḥammad ﷺ fosse embora e se tornasse forte em Madinah. Na quinta-feira, 25 de Saafr, no 14º ano (12 de setembro de 622 dC), dois meses e meio após a promessa de ‘Aqabah, os Quraish se reuniram na Casa Nadwah para planejarem o assassinato ou prisão do profeta ﷺ. Finalmente, eles concordaram por unanimidade que toda tribo nomearia um jovem de linhagem nobre – eles partiriam em direção ao Profeta ﷺ e cada um o atingiria com uma espada afiada e, assim, cada tribo compartilharia a responsabilidade de mata-lo. O Anjo Jibrīl (Gabriel) informou o Profeta ﷺ de suas conspirações. Logo depois disso, o Profeta ﷺ e seu amigo mais próximo e companheiro de confiança, Abu Bakr As-Siddīq, que Allāh esteja satisfeito com ele, deixaram secretamente Makkah indo para o Mote Thawr, no sudoeste (a fim de enganar os Quraish se eles os perseguissem), passando três dias na caverna em Thawr, e depois seguindo para Madinah. Apesar das repetidas tentativas, os Quraish não foram capazes de capturar o Profeta ﷺ ou Abu Bakr.

Muḥammad ﷺ em Madinah

No dia 12 de Rabī al-‘Awwal (uma segunda-feira) no 14º ano após receber a Profecia (23 de setembro de 622 dC), o Profeta ﷺ e seu Companheiro chegaram a Madinah enquanto os Ansār (os muçulmanos de Madinah) aguardavam ansiosamente sua chegada. Foi um homem judeu que o viu primeiro e chamou os muçulmanos: “Ó árabes! Aqui está o seu homem esperado.” A viagem levou aproximadamente 11 dias. O povo de Madinah ficou muito feliz com a chegada do Profeta ﷺ. O calendário islâmico é datada dessa jornada do Profeta ﷺ de Makkah para Madinah, que mostra a imensa importância desse evento. Os muçulmanos, no entanto, não consideram a própria Hijra nem a chegada do Profeta em Madinah como um dia de celebração. Em Madinah (que significa “A Cidade”) Muḥammad ﷺ era ao mesmo tempo Profeta e Chefe de Estado. Ele liderou os crentes nas orações diárias e continuou transmitindo a Revelação a medida que os eventos aconteciam – e Allāh lhe deu respostas para as perguntas que lhe foram feitas. Ele, O Altíssimo, revelou os versículos do Qur.ān que mudaram a direção da oração de Jerusalém para a Ka’bah em Makkah, o que provou ainda mais o grande status que Makkah mantinha para os rentes naquela época e no futuro. Ele ﷺ governou Madinah de acordo com a Lei de Allāh. Para os muçulmanos, Madinah é o modelo do que uma sociedade islâmica deveria ser. Muḥammad ﷺ governou com justiça e foi amado pelo povo de Madinah. Ele viveu em paz com os judeus e fez contratos de paz com eles, que ele ﷺ nunca violou. Ele ﷺ negociou com os judeus e outros não-muçulmanos e proibiu que os direitos dos não-muçulmanos fossem transgredidos. Isso nos ensina que um muçulmano pode viver ao lado de não-muçulmanos sem comprometer a crença islâmica. Foi em Madinah que Muḥammad ﷺ foi informado de que os muçulmanos podem comer a carne abatida de judeus e cristãos e permitiu que o casamento de homens muçulmanos com mulheres judias ou cristãs castas e modestas. Isto não é permitido com outros não-muçulmanos.

Muitos atos de adoração, regras e regulamentos foram revelado ao Profeta ﷺ em Madinah: jejum, zakāh, ḥijāb (vestimenta) para a mulher muçulmana, sermão da sexta-feira, lei de herança, rituais do Hajj e ‘Umrah, regulações do Jihād, rituais do funeral, o chamado para a oração, casamento, divórcio, higiene e assim por diante. Isto, na verdade, mostra a grande importância do trabalho do Profeta ﷺ no período em Makkah que girava em torno da obrigação mais importante: convocar as pessoas a adorarem Allāh e a ficarem longe da idolatria crenças supersticiosas e falsas noções de fé. O Profeta ﷺ sabia que o restante dos regulamentos do Islām não poderia ser aplicado a menos que a crença fundamental do Tawhīd fosse estabelecida pela primeira vez.

Unindo a Comunidade

O Profeta ﷺ teve que unir todos os muçulmanos em Madinah sob um vínculo de fraternidade baseado na fé. Aqueles que migraram para Makkah (conhecidos como Muhājirūn ou migrantes) foram emparelhados com os Ansār (ou ajudantes) dos moradores de Madinah, onde os pobres migrantes receberam abrigo, roupas e comida. Os Ansār abraçaram seus irmãos com tanta generosidade e bondade que deram o melhor exemplo do que significa ajudar aqueles crentes que precisam. O Mensageiro de Allāh ﷺ, no entanto, não limitou sua bondade e generosidade apenas entre os muçulmanos. Ele ﷺ encorajaria com tratamento gentil independente da fé. Um vizinho não-muçulmano pobre seria alimentado como a um vizinho muçulmano. Foram essas noções de Tawhīd, bondade, bom caráter e excelente comportamento moral que levaram muitas pessoas em Madinah, incluindo muitos judeus a abraçar o Islām. É essa mesma Mensagem que continua a abrir os corações de milhões para a beleza do Islām.

Defendendo a Comunidade (Ummah)

Como Chefe de Estado, Muḥammad ﷺ também foi líder militar e muitas batalhas ocorreram durante o período Madinan. Enquanto em Makkah, os muçulmanos foram proibidos de lutar ou levantar a espada contra aqueles que os oprimiam porque não tinham um estado islâmico ou um Chefe de Estado – e a prioridade era chamar o povo para adorar unicamente a Allāh. Em Madinah, eles tiveram o direito de lutar. Os Makkans ainda não haviam deixado de lado a ideia de acabar com Muḥammad ﷺ e seus seguidores – então as batalhas se seguiram: a Batalha de Badr em 624 dC, a Batalha de Uhud em 625 dC, e a Batalha da Trincheira em 627 dC. Na Batalha da Trincheira em 627 dC, o Profeta ﷺ evitou o derramamento de sangue, ordenando que seus Companheiros cavassem uma grande trincheira em torno de uma parte da cidade. Quando o exército de Makkah chegou com outras tribos árabes e judaicas que se uniram a eles contra o Profeta ﷺ, eles encontraram seus esforços frustrados e perceberam que haviam sido mais espertos do que os outros e assim partiram. A cidade de Madinah agora parecia mais segura, mas qualquer muçulmano encontrado fora da cidade provavelmente seria capturado e morto.

Madinah

O Profeta ﷺ fez de Madinah um santuário sagrado. Ele ﷺ declarou:

“Ó Allāh! De fato, Ibrāhīm designou Makkah sagrada e a tornou um santuário. Eu declaro Madinah sagrada – a área entre suas duas montanhas é um santuário. Nenhum sangue deve ser derramado nela, e nenhuma arma deve ser carregada para fins de combate – e as folhas não devem ser sacudidas de suas árvores, exceto para forragem.” [Coletado por Muslim]

Ele ﷺ construiu a Mesquita Sagrada, conhecida simplesmente como Mesquita do Profeta. Ele ﷺ disse:

“A oração deste meu Masjid é melhor do que mil orações em qualquer outro Masjid, exceto no Masjid Al-Harām [em Makkah].” [Coletado por Bukhārī e Muslim]

Eventualmente, ele ﷺ e seus Companheiros mais próximos morreram nesta cidade amada e foram enterrados lá. Madinah permanece especial para os muçulmanos até hoje.

____________________________________________________________________________________________

Atividade:

  1. Anote os meses da Hijrah em ordem.
  2. Adicione as datas desta planilha à sua linha do tempo.
  3. Muḥammad ﷺ migrou de Makkah para ___________ no ano _________. Esse evento é conhecido como ___________. Muḥammad ﷺ não era apenas um Profeta em Madinah, mas também um ___________. Este evento é conhecido como _________. Enquanto em Madinah, o Jihād no campo de batalha foi legalizado, a primeira batalha foi chamada ______________.
  4. Sugira por que o Profeta ﷺ aprovou o uso da força nessas ocasiões e por que ele evitaria o derramamento de sangue o máximo possível.
  5. Você pode listar algumas das regras do Jihād no Islām?
  6. Como Muḥammad ﷺ trataria os não-muçulmanos em Madinah?

____________________________________________________________________________________________

Sumário

Você deve conhecer os eventos da Hijrah e seu significado no Islām. Você precisa saber que em Madinah, o papel de Muḥammad ﷺ era agora maior como Profeta ﷺ, Chefe de Estado e Líder Militar.

___________________________________________________________________________________________

Tradução: ‘Aishah bint Humberto Barletta

Texto original: https://www.abukhadeejah.com/life-of-muhammad-death-of-khadeejah-abu-talib-and-the-migrations-to-ethiopia-and-madinah-islam-1-10/

Traduzido originalmente por: Abu Khadeejah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s