O Uso da Engenharia Genética e o Islām [Ética 1.10]

Projetar Bebês: imagine um cenário onde um casal vai a um especialista e diz: “Queremos um menino inteligente com cabelos escuros, olhos azuis e um sorriso adorável. Ah sim, e ser bom no futebol seria bom!” Embora pouquíssimas pessoas escolham seriamente essas opções, a tecnologia que permitiria isso está se aproximando. Cientistas americanos já produziram um embrião geneticamente modificado. Essa tecnologia pode levar à seleção de genes que especificam altura, inteligência, cor do cabelo e assim por diante. Se permitido, essa tecnologia pode levar a bebês projetados, onde os pais poderiam, em teoria, escolher o sexo de seus filhos.

Genes: Cada célula do corpo humano contém aproximadamente 25.000 a 35.000 genes. Os genes carregam as informações que determinam suas características, que são traços e características que são transmitidas a você – ou herdadas de seus pais. Por exemplo, se ambos os seus pais tem olhos verdes, você pode herdar a característica de olhos verdes deles. Ou, se sua mãe tem sardas, você também pode ter sardas porque herdou a característica de sardas. Os genes não são encontrados apenas em humanos – todos os animais e plantas também têm genes. Onde estão estes genes importantes? Bem, eles são tão pequenos que você não pode vê-los. Os genes são encontrados em minúsculas estruturas semelhantes a espaguetes chamados de cromossomos. E os cromossomos são encontrados dentro das células. Seu corpo é feito de bilhões de células. As células são as unidades muito pequenas que constituem todas as coisas vivas. Uma célula é tão pequena que você só pode vê-la usando um microscópio potente.

Os cromossomos vêm em conjuntos correspondentes de dois (ou pares) e existem centenas – às vezes milhares – de genes em apenas um cromossomo. Os cromossomos e genes são feitos de DNA, que é a abreviação de ácido desoxirribonucleico (digamos: desox-ribo-nucléico).

A maioria das células tem um núcleo. O núcleo é uma pequena estrutura oval dentro da célula que atua como o cérebro da célula. O núcleo diz a cada parte da célula o que fazer. Mas, como o núcleo “sabe” tanto? Ele contém nossos cromossomos e genes. Por menor que seja, o núcleo contém mais informações do que o maior dicionário do mundo e é mais complexo do que o maior computador. Alguns evolucionistas e ateus dão a impressão de que a célula é uma estrutura simples e que ela surgiu pelo choque aleatório de substâncias em um ambiente alcalino volátil úmido. Mas quando olhamos para a complexidade do núcleo (que é apenas uma parte de uma célula), não é de admirar que os muçulmanos (assim como a maioria dos cristãos e judeus) permaneçam totalmente não convencidos da “teoria” da evolução. Os muçulmanos acreditam que Allāh é o Criador de tudo o que existe e que sua criação não veio por seleção ou evolução aleatória, ao contrário, Ele criou e modelou a criação desde o início, cada uma de suas partes.

Nos humanos, o núcleo de uma célula contém 46 cromossomos individuais ou 23 pares de cromossomos (os cromossomos vêm aos pares, lembra? 23 x 2 = 46). Metade desses cromossomos vem de um dos pais e a outra metade do outro.

Termos Chaves:

  • Embrião: óvulo fertilizado cerca de 12-14 dias após a concepção (ou seja, quando o espermatozoide atinge o óvulo) e é implantado na parede do útero da mulher.
  • Bebês projetados: bebês cujas características podem ser selecionadas pelos pais para evitar fraquezas hereditárias o para escolher as características físicas desejadas.
  • Engenharia genética humana: a modificação da composição do gene, para alterar as características de um ser humano.
  • Irmãos salvadores: são bebês concebidos para fornecer material geneticamente compatível para parentes gravemente enfermos.
  • Terapia de células somáticas: reparo ou substituição de um gene defeituoso dentro do corpo.

A maioria dos cientistas no campo da engenharia genética humana insiste que o propósito de seu trabalho com embriões humanos é encontrar maneiras de curar doenças humanas causadas por genes defeituosos. Também pode permitir que eles selecionem embriões saudáveis e livres de doenças para implantar no útero de uma mãe em potencial.

Islamicamente, isso levanta algumas questões éticas sérias que levam a maioria dos estudiosos muçulmanos a rejeitar esse tipo de manipulação genética humana se envolver a criação de um embrião apenas para realizar pesquisas e depois destruí-los. No entanto, se a pesquisa envolve apenas olhar para um embrião em crescimento sem destruí-lo, os estudiosos não o proíbem. O Islām não tem problemas com os avanços tecnológicos, desde que as vidas não sejam destruídas, a identidade dos pais seja mantida e os pais sejam casados.

Irmãos Salvadores

A Lei de Fertilização e Embriologia Humana de 2008 (Reino Unido) tornou legal o uso de irmãos salvadores. As células-tronco do irmão doador devem ser coletadas de uma forma que não prejudique as crianças. No entanto, é ilegal usar o irmão doador para órgãos como o rim. Os embriões que não são implantados na mãe devem ser destruídos no máximo 14 dias após a concepção.

Destruir um feto ou embrião não é permitido no Islām.

Exemplo: Daniel nasceu em 2003. Ele foi concebido por fertilização in vitro por um motivo: seu irmão (nascido alguns anos antes) tinha uma forma potencialmente fatal de anemia. Após o nascimento de Daniel, as células-tronco foram retiradas do cordão umbilical de Daniel para ajudar a curar seu irmão. Daniel era um irmão salvador. No Islām, isso não é um problema, uma vez que nenhum feto ou embrião foi destruído e nada proibido aconteceu. E um princípio na lei islâmica afirma que as coisas são permitidas nos assuntos e avanços mundanos, desde que não haja proibição textual (n.t. do Qur.ān e da Sunnah).

Allāh disse:

وَمَنْ أَحْيَاهَا فَكَأَنَّمَآ أَحْيَا ٱلنَّاسَ جَمِيعًۭا ۚ

“Se uma pessoa salvasse uma vida, é como se tivesse salvo toda a humanidade.” [Al-Ma’idah (5): 32]

Terapia de Células Somáticas:

Isso envolve a introdução de novo material genético nas células para corrigir um gene ausente ou defeituoso que causa uma doença genética. Isso pode ser feito de três maneiras.

  1. Ex vivo: células são removidas do paciente, geneticamente alteradas e colocadas de volta no paciente.
  2. In situ: requer que células, incluindo DNA de outro lugar, sejam colocadas diretamente no tecido afetado.
  3. In vivo: semelhante ao in situ, mas as células são colocadas na corrente sanguínea. Em seguida, eles podem encontrar o “tecido-alvo” para que possam entregar o novo material genético a ele.

Isso é permitido no Islām, desde que nenhum embrião seja “cultivado” para esse propósito e destruído.

A tecnologia para criar bebês projetados não é aceita no Islām, porque não beneficia a humanidade e pode resultar na adulteração da criação de Allāh com consequências desconhecidas e por razões desnecessárias. Também usar essa tecnologia para selecionar o gênero leva ao desequilíbrio na sociedade, à discriminação e muda a ordem natural na qual Allāh criou a humanidade.

Escrito por: Abu Khadeejah

Fonte: https://www.abukhadeejah.com/the-use-of-genetic-engineering-and-islam-ethics-1-10/

Tradução ao português: ‘Aishah bint Humberto Barletta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s